ALFORJE DOS SONHOS


A voz tão presa verso e alma sussurrada
aquele cujo coração ruína invade
carrega de tormento a eternidade
na ambição de ser ,o é,a dor fadada

e o acaso opera seus mistérios
na gangorra do céu deus brinca de pecado
e o homem que dorme o sonho malogrado
vinga-se no imaginário céu seus impropérios

amealha entre os dedos debochados
e o alforje de sonhos joga fora
numa noite solene aos aclamados
o anjo dorme e o monstro se aflora

se semear o amor é tolo intento
se a ópera do prazer é vão momento
quero tolo morrer no esquecimento.

                                    Gilberto Felinto


Comentários

  1. "e o acaso opera seus mistérios
    na gangorra do céu deus brinca de pecado
    e o homem que dorme o sonho malogrado
    vinga-se no imaginário céu seus impropérios

    Gostei muitoooooooooo desta estrofe.

    ResponderExcluir
  2. obrigado,amiga,sua presença prestigia nosso trabalho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

GOTA DE EXISTÊNCIA

APENAS IR ME

SAL DO TEMPO