AOS PORQUÊS

Sempre me entre-tenho entre porquês
e acedo à escola das corriqueiras coisas

apreendo o calor e o aquiesço
quando à flama fervente
a língua péla

quando aguarda aguardente
a dor que não vela

e o amor se faz semente que não grela.

                          Gilberto Felinto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

GOTA DE EXISTÊNCIA

APENAS IR ME

SAL DO TEMPO