quarta-feira, 5 de agosto de 2015

SAL DO TEMPO


O que faço entre penumbra e luz
sem minha transparência ?

alheio a meus contornos
cortejo a luz do instante

do afeto do afago

do que o fogo deixou em mim
antes da senzala e das cinzas.

se a mesma luz que se ensimesma
entre minhas ruínas
foi clara evidência da cor

diviso ao sal do tempo
um céu de amor.

                     Gilberto Felinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário