quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

FILOSOPOESIA

Arme-se ou se indigne!
"lutar com a palavra é a luta mais vã"

Não cultuo cinzas da dor que me erodiu
preservo o fogo nas palavras
sem ilusões e abracadabras
Minha frugal ferramenta é o sonhar
na luta vã é a poesia a quem recorro
nela que nasço me refaço vivo e morro
me estremece me revela e me apura
é pecadilho eventual minha aventura
minha homeopatia,é a dor e a cura,
é meu legítimo pedido de socorro
se hoje a dor do dia o interpela
e no caminho o temporal o estarrece
o que espezinha sua exausta anatomia
pode impelir sua real filosofia
o corpo pena mas no fundo a alma cresce
Prefiro a estranheza ao velho mito
no meu espanto verso e vivo em forte grito
e no assombro se renova minha estreia
deixo pra trás o cemitério dos jargões
para aprender a cada dia mais lições
quero viver cada momento uma odisseia.

                                                   Gilberto Felinto